EnglishPortuguês

Fado, vida e obra do poeta Carlos Conde

Livros - Janeiro 25, 2010
Edição de Autor / 2010
Começou por escrever letras em cegadas, mas o seu talento acabou por ser reconhecido, aparecendo regularmente na imprensa da época, sobretudo a especializada, quer em entrevistas quer em artigos assinados pelo próprio.

O fado foi a sua grande paixão. Apesar de não ser adepto de grandes noitadas, frequentava as mais importantes casas típicas do seu tempo. Escreveu largas centenas de letras que integraram o reportório de alguns dos mais importantes fadistas: Amália Rodrigues, Alfredo Marceneiro, Ercília Costa, Argentina Santos, Fernando Maurício, João Ferreira Rosa, Lucília do Carmo, Fernanda Maria, Frutuoso França, Maria Amélia Proença, Carlos do Carmo, Maria da Fé ou Alcindo Carvalho, entre outros.

As letras de Carlos do Conde contam por vezes histórias de um tempo ausente. Uma função que se revelou essencial para a preservação da memória de lugares, personagens e acontecimentos ligados ao fado. Outras são retratos de época, pequenos episódios corriqueiros do dia-a-dia que se não fossem os seus fados ficariam esquecidos. O seu talento foi reconhecido em vida, com mais de uma vintena de prémios. O primeiro foi em 1927, no concurso de quadras do Diário de Lisboa. Seguiram-se muitos outros, sobretudo nos então muito frequentes jogos florais.

Além do enorme património do fado que são as suas letras, Carlos Conde deixou descendência. Um dos seus netos, Vítor Conde, é fadista, e um bisneto, Paulo Conde, já publicou dois livros dedicados à sua vida e obra, entre os quais se encontra este.


Artigos Relacionados


PROCURA e OFERTA de Músicos!
Não procure mais... está tudo aqui!

Redes Sociais

     

Newsletter

Mantenha-se actualizado com as novidades do Fado.

Portal do Fado

©2006-2024  Todos os direitos reservados.