EnglishPortuguês

Carminho revela "Alma" no Olga Cadaval

Concerts - Março 04, 2012
Foi com Alma que Carminho se apresentou no Centro Cultural Olga Cadaval, o seu novo trabalho que combina originais e versões de grandes nomes da música (não só do fado) e que esgotou o Auditório Jorge Sampaio.

C. C. Olga Cadaval - Sintra - 02.03.2012

“Lágrimas do Céu”, do Fado Cravo de Alfredo Marceneiro, inaugurou a noite, uma noite onde Carminho partilhou a sua voz acompanhada por Luis Guerreiro (guitarra portuguesa), Diogo Clemente (viola de fado) e Daniel Pinto (baixo acústico).

Entre algumas confidências que a cantora partilhou com os presentes ficámos a saber o quanto de si está impresso neste novo trabalho e como é marcante a liberdade de poder cantar aquilo que verdadeiramente gosta.

O clássico “À beira do cais” é responsável por um momento mais calmo contrastando logo de seguida pelas “Saudades do Brasil em Portugal” de Vinicius de Morais, acompanhadas a compasso pelas palmas do público.

Recordado Fado, o disco de estreia da cantora e que conquistou dupla platina, ouvimos “Bia da Mouraria” seguida do “Meu namorado” com um poema de Chico Buarque onde mais uma vez é resgatada a palavra à música popular brasileira e toma forma em fado com a música de Edu Lobo.

Carminho chamou ao palco um dos grandes nomes da guitarra portuguesa Mário Pacheco que a acompanhou em dois temas, um dos quais “Talvez”, um original do novo álbum que junta a musica de autoria do próprio Mário Pacheco e letra de Vasco Graça Moura.

Por breves momentos a cantora abandonou o palco, que ficou por conta dos músicos que a acompanham e aos quais se juntou Vicky Marques (precursão) num instrumental muito bem recebido pelo público.

Foi a capella, que Carminho sob um único foco de luz, trouxe “Alfama” inundando o centro cultural num dos momentos mais tocantes, que a meio foi complementado pelos instrumentos de cordas e pelas palmas do público.

“Cabeça de vento” e “Meu amor marinheiro” foram alguns dos temas que pudemos escutar até ao “Disse-te adeus” que levou de novo Carminho para fora do palco, mas as palmas constantes obrigaram a cantora a retornar para o encore. Do público surgiu um pedido «Carminho um bocadinho de Perdóname». Infelizmente a cantora não atendeu ao requerido, mas em contrapartida brindou-nos com “Escrevi teu nome no vento” e a repetição de “Bom dia amor” onde teve de novo a companhia de Vicky.

A fechar uma noite carregada de sentimento ouvimos novamente “As pedras da minha rua”, mas desta vez com um final inesperado - cantado sem microfone. E não foram precisos adereços técnicos para que a voz de Carminho preenchesse todos os recantos da sala e a cantora se entregasse com toda a “Alma” ao público que a aplaudia de pé.Pedro Fonseca


Related Articles


Não procure mais... está tudo aqui!
Não procure mais... está tudo aqui!

Social Network

     

Newsletter

Subscribe our Newsletter.
Stay updated with the Fado news.

Portal do Fado

© 2006-2024  All rights reserved.