EnglishPortuguês

Entrevista a Cristina Branco: Alegria melancólica

Interviews - Março 06, 2013
Cristina Branco continua em missão exploratória à volta da canção portuguesa num álbum de preocupações sociais manifestadas através de personagens do fundo da rua.

Entre os seus autores destacam-se Sérgio Godinho, Chico Buarque, Joni Mitchell, Manuela de Freitas, Pedro da Silva Martins, Jorge Palma, Miguel Farias e Gonçalo M. Tavares.

No texto de apresentação, está escrito que voz de Cristina Branco é nómada e nenhum dos álbuns anteriores «Abril», «Kronos» e «Não há só Tangos em Paris» era convencionalmente fadista. A questão é que ete parece mais um disco de canção portuguesa com entoação fadista. É assim?


Nenhum deles o é. Só o «Live» é que é mais fadista. Por outro lado, o disco anterior também tinha dois fados e este também. O outro era uma aproximação do fado com o tango. Este tem um fado mais panfletário, mais operário, mais tradicional - «o Fado Bizarro» - que remete para essa época. Concordo contigo que há uma distância. Gosto de cantar fado, sinto-me cada vez mais próxima da mensagem  mas não me consigo cingir a esse campo.

 

Também é dito que o disco nasce de uma conversa com Gonçalo M. Tavares. Qual foi o teor dessa conversa?


A ideia não começa com o Gonçalo. A ideia de fazer um disco paradoxal é anterior e vem do tempo do «Não há só Tangos em Paris». Quando fui ter com ele já tinha essa ideia. Pedi textos ao Gonçalo numa ideia de ter «bairros»: a ideia do Senhor Brecht do «...Desempregado...». A conversa foi essa: saber se ele estava interessado em escrever para música com o sentido de querer falar sobre o momento deste país e saber se estava interessado em colaborar. O Gonçalo fez quatro textos e ficou a ideia de um dia fazermos a coisa mais ampliada no sentido de fazer uma «Ópera do Malandro». Mas ainda não creio que seja o momento.

 

Quis estas personagens para as poder relacionar com o seu tempo?


Nós somos isto tudo. Portugal e os portugueses são uma amálgama. Estou em Veneza e aqui tens tudo: russos, chineses. Nós portugueses somos uma mistura multicolour. A ideia foi construir quase uma evocação de histórias que nós conhecemos ou da literatura ou da cinema. Tens a Alice, o Robin e a Cândida também pode ser um exemplo cinematográfico. É aquilo que nós vemos no fim da rua, na janela do vizinho. Não são personagens irreais. Tens ainda o caso da Louise (canção de Joni Mitchell) mesmo não sendo cantada em português...

 

É um disco em que as palavras são muito fortes. Quase ásperas.


Acho que essa é a beleza do texto e da palavra. Por exemplo, a «Deolinda» não é aquela Deolinda que se espera. É irónica. Ou por exemplo a «Cândida» que não tem um bom fim.

 

A música ainda pode ser um veículo de sonhos e utopias?


A música é um veículo de sonhos, de esperança, de alerta...é o que se quiser. Tem essa característica. Não sei, na verdade, o que é que nós somos. Se calhar, nunca fomos um país. Nunca acontecemos realmente. Nunca nos deram tempo. Para onde é que isto caminha? Muito sinceramente tenho dúvidas no ressurgir da nossa cultura e identidade. Tudo o que nos está acontecer é irreversível. Estão a fazer-nos muito mal e regredimos anos. É como se tivesse havido um corte. Ou as coisas mudam muito (e não digo só políticos mas também mentalidades) ou não sei.

 

Essa crise não é também europeia?


É mas num país pequeno é muito mais cruel. Os recursos naturais foram destruídos portanto até o turismo está em causa. E o que é que tens mais? O turismo sénior não investe cá.

 

É curioso que o contexto político e social seja tão gravoso numa altura em que a música portuguesa vive um momento de grande prosperidade do ponto de vista criativo.


Podia responder-te de várias maneiras e todas elas estariam certas. Sim, estamos numa fase boa. Tens muita gente a falar da música portuguesa e muita gente a ouvi-la. A música pode ser uma voz embora seja difícil responder que marcas pode deixar. Mas sim, com a música tens uma voz onde podes anunciar a verdade.

 

A expressão «novo fado» está ultrapassada, não está?


Está. Não há um novo fado nem um tango nem um flamengo. Há sempre um género que se vai recriando e fundindo com a gente que o canta e com aquilo que a música está a retratar. É uma música.

 

Essa permanente evolução também legítima que uma fadista possa escolher o título «Alegria»?


O título é «Alegria» e a capa mostra um sorriso e olhos tristes. O palhaço também está no interior do disco e é irónico. A personagem sou eu e estou mascarada. A imagem é muito forte, não é uma coisa bonita mas este não é o disco que se espere num disco com o meu percurso. No Womex, fizemos uma experiência com essa imagem que foi anunciar um novo álbum apenas com esse ponto de partida. Tivemos dois tipos de reacções: ou repulsa total ou grande aceitação.

 

Vais dar corpo à vontade expressa pelo Primeiro-Ministro de ver a população emigrar?


Sim! Arrancamos com o disco novo na Bélgica no dia 19 de Março e depois tocamos na Noruega. A apresentação em Portugal é a 5 de Abril no São Luiz e 7 na Casa da Música. No fundo somos os emigrantes na malinha de cartão. O Passos Coelho tem alguma razão quando nos pede para ter imaginação. Eu como vou tendo alguma ainda tenho emprego. Tenho é que tirar logo metade do que recebo para o Estado mas vou contente da vida lá para fora dizer que é óptimo ser português.
Davide Pinheiro



Related Articles


Não procure mais... está tudo aqui!
Não procure mais... está tudo aqui!

Social Network

     

Newsletter

Subscribe our Newsletter.
Stay updated with the Fado news.

Portal do Fado

© 2006-2024  All rights reserved.