EnglishPortuguês

Cuca Roseta: "Até quem não entende uma palavra sente o fado"

Entrevistas - Junho 10, 2023
Emociona-se quando fala de Amália Rodrigues e de como esta mulher andou pelo mundo repartida, a levar Portugal e a cultura do seu povo.

Hoje, num contexto social e cultural tão diverso, Cuca Roseta anda também pelo mundo a dar voz e corpo a uma tradição de raízes tão profundas que se não lhes conhece a origem, e, embora se sinta acarinhada também em Portugal, admite que, apesar de quase meio século de Democracia, este é ainda um país pouco amável para com mulheres donas de si mesmas e do seu destino.

Neste momento, Cuca prepara-se para promover em Espanha o seu novo disco Rayana, em que casa fado com flamenco. Mas já no final deste mês aguarda-a o que decerto será um dos grandes momentos do ano, com a sua participação nos dois concertos de Andrea Bocelli, em Lisboa.

Estamos a celebrar o 10 de Junho e a Cuca vai estar em Cabo Verde. O que sente ao andar por esse mundo fora, a levar um género musical que é tão identitário como o fado?

Sinto-me completamente embaixadora do nosso país e isso tem sido das coisas mais bonitas que me tem acontecido ao longo da minha carreira. Quando vamos lá fora levamos connosco uma tradição, através do fado, e sinto que, com isso, conseguimos que dezenas de países se interessem muito mais por Portugal do que acontecia antes. E isso é do mais bonito que há nesta minha missão, neste meu trabalho, talvez neste meu dom. Também me cativa muito cantar para as comunidades portuguesas, que estão fora, porque o modo como elas nos recebem está muito envolvido em saudade e amor, mas a verdade é que o fado mantém a força mesmo quando cantamos para quem não percebe uma palavra do que estamos a dizer. É algo de mágico para um país tão pequenino, sobre o qual os norte-americanos perguntam se é uma região de Espanha.

Ainda?

Sim, é escandaloso. É em momentos como estes que eu me sinto mesmo embaixadora e também muito revoltada. Chego a mostrar-lhes no mapa que a Península Ibérica é composta por dois países independentes. Por isso é que é tão incrível ver a nossa música chegar tão longe. Até porque o português não é das línguas mais fáceis em termos musicais: É dura, fechada, quando comparada com o castelhano, o italiano ou o português do Brasil, que têm todas as vogais muito mais abertas. Mas, ainda assim, o fado é património imaterial da Humanidade e eu não consigo deixar de me maravilhar com o que vejo acontecer nas minhas viagens: Sinto mesmo que é impossível não me sentir patriota quando penso no valor da nossa tradição.

Vai estar agora em Cabo Verde. Como é a receção nos países lusófonos?

Os dois sítios que mais me surpreenderam ao ouvir fado foram Cabo Verde e Cuba, talvez porque são países em que a música está mesmo em todo o lado. Dançam o fado como eu nunca tinha visto. Cabo Verde tem uma doçura imensa e uma relação fortíssima com a música, desde a senhora que vende fruta e está a cantar até às crianças. Todas as pessoas tocam ou cantam enquanto fazem as suas coisas e levam a sua vida para a frente.

E as mornas estão distantes do fado?

Não, são família. É um bocadinho como o flamenco e o tango. São diferentes formas de exprimir a mesma coisa.

E que coisa é essa?

Eu acho que é o grito do povo, o colocar na música a expressão das mágoas. Foi assim que o fado nasceu: As mulheres saíam à rua, os homens partiam para o mar, elas não sabiam quando é que eles voltavam, e se voltavam. Nasce de classes muito populares e só de forma tardia é que chega às elites. Mas tem essa origem ligada à saudade e à pobreza.

Para si, a internacionalização começou muito cedo, quando, em 2007, entrou no filme do realizador espanhol Carlos Saura (a cantar um clássico como Rua do Capelão). Como foi essa experiência?

Era muito novinha, hoje dá-me uma nostalgia muito grande quando revejo esse filme. Na verdade, quando o filmei, tinha começado a cantar numa casa de fados há muito pouco tempo. Foi um privilégio muito grande até pela importância cultural que o cinema do Carlos Saura tem. Um dos filmes dele que continua a inspirar-me muito chama se Ibéria. Gosto muito do modo como ele filma a forma como aqueles artistas se entregam à sua missão. Para mim, o Fados foi uma autêntica rampa de lançamento. Foi a partir da visibilidade que ele teve que recomeçámos a levar o fado para o exterior.

Gravou, em plena pandemia, um disco dedicado à Amália (Amália por Cuca Roseta), em que cantava alguns dos seus fados mais icónicos (Com que voz, Maria Lisboa, Barco Negro, Lágrima, Boa Nova, Fado Lisboeta...). Sente que foi Amália que internacionalizou o Fado?

Sem dúvida. Foi a Amália que nos deixou esta herança toda.

O que significa pessoalmente para si?

Tenho um fascínio muito grande. Era uma mulher muito destemida, muito forte, que enfrentou sozinha muitas coisas. Eu estou agora a trabalhar com o manager dela em França, Jean-Jacques Lafaye, que nunca mais trabalhou com ninguém desde que a Amália morreu. Recentemente, ele foi ver um concerto meu em Paris e diz que voltou a ter esperança. Isto arrepiou-me tanto e nem vou dizer o que ele disse mais porque senão vão dizer que sou uma convencida.

Ninguém diz isso. Conte-nos lá.

Está bem. Ele conta muitas histórias da Amália e diz que eu sou a neta sonhada dela. Também me contou uma história dela que me marcou muito e que me comove profundamente: Seis meses antes de morrer, numa homenagem que lhe foi feita em Paris, ela ter-lhe-á perguntado se achava que os portugueses gostavam dela. Isto emociona-me muito.

Ela tinha dúvidas?

Tinha. É inacreditável como é que uma mulher daquelas, que fez tanto pelo país, tinha este tipo de sentimento. Também é verdade que levou com muita gente a dizer que ela não era fadista, que era isto e era aquilo, que não podia cantar grandes poetas. Estamos a falar de uma mulher que levou o fado às elites e ao mundo, colocando-o ao lado de outros géneros identitários como o flamenco ou o tango. Fê-lo sozinha, completamente sozinha, com muita gente a dizer que ela não estava a cantar fado, que era uma herege. E ela prosseguiu, apesar disso. Como é que permitimos que esta mulher morresse sem saber se era amada ou não pelos portugueses?

E a Cuca acha que ela não era amada?

Não sei, houve algumas homenagens, mas tenho a convicção de que só percebemos efetivamente a sua dimensão, o seu contributo depois da sua morte. Ficaria felicíssima com todas as homenagens que lhe foram feitas entretanto mas penso que ela fez por Portugal o que muito poucos fizeram.

Portugal hoje está na moda e então isso não acontecia, até por questões de isolamento político
.
Exatamente. E era muito mais difícil viajar de avião naquela altura e era uma mulher que andava pelo mundo acompanhada apenas pelos seus músicos.

Mesmo numa realidade social tão diferente, as coisas ainda não são fáceis para as mulheres no fado. Ou é impressão minha?

Pois não, não é. Posso dizer que, por viajarmos muito, sentimos que o nosso país é uma pequena aldeia, com o que isso tem de maravilhoso e também de terrível. Sinto que ainda somos um país muito conservador e também muito machista. Há que não ter medo de o dizer. Por isso, num momento em que estão a acontecer coisas tão graves no mundo, sentirmo-nos tão atacados, julgados como nós somos, é inacreditável. É mesmo absurdo. As pessoas não nos conhecem pessoalmente. Só nos veem e ouvem cantar e o julgamento que fazem porque vestimos determinada roupa ou estamos na praia de biquíni é abusivo. Comigo implicavam porque não usava xaile ou porque não vestia de preto. Ou ainda porque sou de Cascais e não nasci num bairro típico de Lisboa. Era também porque tinha um piercing e isso não era "permitido" a uma fadista. Hoje já não é tanto assim. Acho que conquistei o meu lugar entre os portugueses, que é o que mais interessa porque temos muitos concertos no estrangeiro mas também muitos em território nacional. E é maravilhoso também porque as pessoas cá adoram a nossa tradição. Seria ingrato da minha parte dizer que não sou extremamente acarinhada quando canto cá mas...

Mas teve a sua luta... Houve um momento em que teve de escrever na sua conta de instagram, e cito-a: "Vamos lá ver meus senhores, vivemos de uma forma livre, em que seja qual for a cultura onde nascemos cada um tem o direito de vestir o que quiser e bem entender, desde os indígenas aos que utilizam burca e não ser julgado ou criticado pela diferença". Isto é pesado?

Tive a minha luta e tenho a certeza de que ainda sou discriminada por alguns lobbies: Ou porque não sou de um bairro popular de Lisboa ou porque visto roupas coloridas. Mas esses critérios nada têm a ver com o Fado, não é? Eu costumo dizer que este está entre a performance e um canto devocional.

De que maneira?

No sentido em que sendo uma performance, tem, no entanto, um lado muito mais profundo. Os antigos diziam que o Fado era quase como uma prece, em que as mulheres saíam e pediam ajuda a Deus para os seus problemas ou o regresso de alguém que amavam. É uma coisa muito intimista. Quando eu digo que tem algo de canto devocional, não quero com isso dizer que se trate de uma coisa religiosa, mas por ser muito espiritual. Eu acho que esta catarse que o fadista tem de fazer, ao ir à sua verdade, às suas emoções e transformá-las em arte e beleza, tem a capacidade de transformar também os outros. E transforma de uma forma incrível porque comove e toca pessoas que não compreendem uma palavra de português.

Já lhe aconteceu isso?

Já, várias vezes. Vi muitas pessoas sentirem-se tocadas pela energia desta nossa música e eu consigo entender isso. Aconteceu-me uma vez na Polónia, em que fui interpelada por uma senhora que chorava compulsivamente e que me dizia: "As mulheres neste país não se podem exprimir. Nós não podemos chegar aqui e dar-te um abraço ou um beijo. E tu chegas aqui e exprimes-te em liberdade." É isto que é o fado, o flamenco, o tango. O nosso é mais contido. Recentemente gravei um disco de fado e flamenco e formei a noção do que têm de diferente mas também de comum.

E que pontos são esses?

O flamenco é um grito de alma mas que reclama. O fado não reclama, é mais uma aceitação de que a vida tem altos e baixos. O flamenco não, tem aquela garra toda. São diferenças que têm a ver com as próprias culturas, nós somos mais contidos e os espanhóis são muito mais extrovertidos. Mas o fado tem este lado de prece, que me apaixona completamente. Eu quando cantava pop, nos Toranja sobretudo, gostava, mas não ligava muito. A minha mãe perguntava-me se eu queria tornar-me cantora, fazer disso profissão, e eu dizia que não, nem pensar. Quando comecei a cantar no Musicais, todas as segunda-feiras, a fazer covers, era eu que escolhia as músicas todas e gostava muito delas, mas nunca senti que queria aquilo. Aliás, quando se converteu numa rotina, comecei a odiar.

Com o fado foi diferente?

Totalmente. Posso estar com febre, ter dormido duas horas e pensar: "Não sei como é que vou conseguir cantar" mas assim que entro no palco, transfiguro-me. Hoje posso dizer que trabalho na minha paixão. É a única coisa que suporta febres, noites mal dormidas. No dia em que a minha avó morreu, tinha um concerto e fui cantar à mesma. Estive uma série de tempo a chorar no camarim e depois cheguei ao concerto e ninguém sentiu que se passava alguma coisa com a intérprete. Aquelas pessoas que pagaram bilhete não tinham de ter um espetáculo pior porque a minha avó tinha morrido nesse dia. The show must go on, mas porque há paixão. Há uma missão. Eu sinto-me um canal de transmissão. Não importa o que se passa cá dentro. É preciso que os nossos sentimentos se transformem em beleza. O meu destino levou-me para os palcos e, depois de tantos anos, o palco é mesmo a minha casa, é onde consigo conectar-me comigo mesma e passar aos outros a voz e a mensagem. É uma missão muito bonita quando a assumimos com a humildade de sermos apenas um instrumento, como pura forma de partilha. Não uma coisa do ego. O fado é isto. É fascinante e é nosso.

A Cuca também escreve e é autora de vários temas seus. Esse lado também surgiu naturalmente?

Sou fadista, sempre me considerei fadista, mas não sou uma fadista tradicional. Em todos os meus discos tinha sempre um tema meu. Não era muito comum no fado as pessoas comporem e escreverem as suas músicas, mas eu fiz isso desde nova. Portanto, inicialmente, as pessoas estranharam, mas acabaram por aceitar. O meu público chegou mesmo a pedir-me "faz mais músicas, faz um disco só teu", e assim aconteceu com o disco Meu, que foi o sétimo disco. Por outro lado, permite-me ter uma autonomia financeira que quem é só intérprete não tem, porque tenho os meus direitos de autor. Isso também não é muito bem visto quando somos mulheres A misoginia e o preconceito persistem. As mulheres livres ainda incomodam muita gente. Uma mulher a cantar bem vestida e sensual não tem de ver diminuído o seu valor e talento. O fado não é o visual de quem o canta, é outra coisa. É algo que vem da alma. E cada interprete é diferente.


No final deste mês vai cantar com Andrea Bocelli, em Lisboa. O que é que espera destes dois concertos?

Já me emocionei duas vezes só com a ideia. Quando começo a ensaiar as músicas que vou cantar com ele, já me dá assim uma alegria e uma enorme gratidão. Para além do mais, esta é a primeira vez em que ele convida alguém para cantar duas músicas e não só uma. Também serei a primeira a cantar músicas que fazem parte do repertório dele e não um tema extra em que ele se adapta a uma cantora, o que tem sido mais um desafio para mim. Descobri que a minha voz tem um lado lírico, que nunca explorei. Acho que vai ser um dia muito especial e uma revelação também para mim. Mais uma.
DN



Artigos Relacionados


PROCURA e OFERTA de Músicos!
Não procure mais... está tudo aqui!

Redes Sociais

     

Newsletter

Mantenha-se actualizado com as novidades do Fado.

Portal do Fado

©2006-2024  Todos os direitos reservados.